segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Ministério da defesa cria P.L.A.R.A - Direitos humanos

Recebi este texto por e-mail, ele é uma brincadeira inteligente e com sarcasmo. Faz uma crítica na forma de humor e nos mostra como a hipocrisia comanda nossas ações. Com argumentos interessantes, o autor critica uma defensora dos direitos humanos com relação a um terrorista preso, pertencente a Al Qaeda.

Esquecemos que a maioria dos protestos feitos em nome dos direitos humanos são em benefício de pessoas cruéis, assassinos ou torturadores que não deram o mesmo benefício para as suas vítimas. Não estou falando de crimes de guerra, crimes políticos (o que ocorre e ocorreu na China, na antiga URSS, em Cuba, no Brasil, etc..), nem com relação a países ditatoriais. Estou me referindo a sanguinários assassinos, que em nome de uma ideologia, religião ou banditismo descarado mesmo, matam, torturam, explodem, mutilam, estupram, etc.
A eles, que nunca oferecem as suas vítimas nenhum dos direitos humanos, muito menos o mínimo de humanidade, deveria ser administrada a velha e boa lei de Talião, a do olho por olho, dente por dente.

Muitos assassinos se escondem por trás do que chamamos crimes políticos. Tem países que acolhem essas pessoas com carinho, basta dizerem que estão sendo perseguidos por um crime político, pedirem asilo, que as portas se abrem. Isto ocorre até nos Estados Unidos.
Muitos deles apelam para os direitos humanos, desesperados para se safarem, ou preservarem sua integridade física (medo de vingança, seja de autoridades, ou de presos revoltados com seus crimes).
Alguns ainda se escondem na idade penal, falhas na lei, movimentos políticos, ONGs internacionais, etc.

Fake (boato, mentira)

Eis a tradução da resposta que o ministro canadense da Defesa dirigiu a uma boa alma que a ele se lamentava da sorte reservada aos "combatentes" afegãos, prisioneiros nos centros de detenção no Afeganistão.


National Defence Headquarters
MGen George R. Pearkes Bldg, 15 NT
101 Colonel By Drive
Ottawa , ON K1A 0K2
Canada

Cara cidadã inquieta,
Obrigado pela sua recente carta exprimindo a sua profunda preocupação a propósito da sorte dos terroristas da Al Qaeda capturados pelas forças canadenses, transferidos em seguida para o governo afegão e presentemente detidos pelos seus oficiais nos centros nacionais de reagrupamento de prisioneiros no Afeganistão.
A nossa administração toma este assunto muito a sério e a sua mensagem é recebida com muita atenção aqui em Ottawa.
Ficará feliz de saber que, graças à preocupação de cidadãs como a senhora, criamos um novo departamento na Defesa Nacional, que se chamará P.L.A.R.A., isto é, «Programa dos Liberais que Assumem a Responsabilidade pelos Assassinos».


De acordo com as diretrizes deste novo programa, decidimos eleger um terrorista e colocá-lo sob a vigilância pessoal da senhora.
O seu detido particular foi selecionado e será conduzido sob escolta fortemente armada até ao domicilio da senhora em Toronto a partir da próxima segunda-feira.
Ali Mohammed Ahmed bin Mahmud (poderá chamar-lhe simplesmente Ahmed) será tratado segundo as normas que a senhora pessoalmente exigiu na carta de reclamação.
Provavelmente será necessário que a senhora recorra a assistentes. Nós faremos inspeções semanais a fim de nos certificarmos, com a mesma firmeza da sua carta, de que Ahmed se beneficia realmente dos cuidados e de todas as atenções que nos recomenda.
Apesar de Ahmed ser um sociopata extremamente violento, esperamos que a sensibilidade da senhora ao que descreve como o seu «problema comportamental» o ajudará a ultrapassar as suas perturbações de caráter.

Talvez a senhora tenha razão quando descreve estes problemas como simples diferenças culturais.
Compreendemos que tenha a intenção de lhe proporcionar conselhos e educação em seu domicílio.

O seu terrorista adotado é temivelmente eficaz nas disciplinas de close-combat (combate corpo a corpo) e pode dar fim a uma vida com objetos simples, tais como um lápis ou um cortador de unhas.
Aconselhamos a não lhe pedir para fazer uma demonstração durante a próxima sessão do seu grupo de yoga.
Ele é igualmente especialista em explosivos e pode fabricá-los a partir de produtos domésticos. Talvez seja melhor que a senhora os guarde fechados à chave, salvo se considerar (segundo a opinião que exprime) que isso possa ofende-lo.

Ahmed não desejará manter relações com a senhora ou com as suas filhas (exceto sexuais), na medida em que considera que as mulheres são uma espécie de mercadoria sub-humana.
É um assunto particularmente sensível para ele, que é conhecido por manifestar reações violentas em relação a mulheres que não se submetem aos critérios de vestuário que ele recomenda como próprios.

Estou convencido de que, com o tempo, virá a apreciar o anonimato que oferece a burkha. Recorde que isso faz parte do «respeito pelas crenças religiosas», como escreve na sua carta.
Mais uma vez, obrigado pelos seus cuidados. Apreciamos bastante que cidadãos nos indiquem como fazer bem o nosso trabalho e ocupar-nos dos nossos congêneres.

Tome bem conta de Ahmed e lembre-se de que a observaremos.
Boa sorte e que Deus a abençoe.
Cordialmente,

Gordon O'Connor
Ministro da Defesa Nacional

A versão que circulou na internet em 2005, o remetente da mensagem:

Don Rumsfeld
The White House
1600 Pennsylvania Avenue
Washington, D.C., 20016

Versão em inglês e a explicação do Fake: http://www.snopes.com/politics/war/lark.asp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Serão rejeitadas mensagens que desrespeitem a lei, apresentem linguagem ou material obsceno ou ofensivo, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou não se enquadrem no contexto do blog.